sábado, 25 de julho de 2015

Escreva uma carta para mim



Dia desses eu e minha querida amiga Mulher Verde chegamos a conclusão (triste e óbvia) que as pessoas  não escrevem mais cartas.

Dia desses num grupo de Facebook sobre Papelaria e coisinhas de papelaria (quem não ama?) , eu resolvi participar de uma brincadeira que consiste em trocar cartas e coisas de papelaria,uma demonstração  fofa de afeto e gentileza gratuitos . Recebi uma carta linda e com muitas coisinhas de papelaria e naquele dia eu senti meu coração repleto de energia boa, energia um tanto infantil e inocente afinal, papelaria me remete a doces lembranças de infância e adolescência.

Posto isso, eu e minha amiga Mulher Verde abrimos a oportunidade de trocar cartas com quem lê nossos blogs e Pages, porque queremos conhecer quem nos lê há tanto tempo. A coisa vai funcionar assim:

Se você quiser receber uma carta minha, são duas as opções:
      1)  Pode me escrever primeiro, e eu lhe respondo.
      2) Pode me mandar seu endereço e eu escrevo uma carta para você.

Você pode me escreveu um e-mail com seu endereço : emporiodaming@gmail.com


Vamos nessa? Estou ansiosa!

terça-feira, 23 de junho de 2015

Quem tem medo de mudar?



Uma das melhores coisas do mundo é sentir orgulho de si.

Há um tempo penso em mudar pequenas coisas na minha. Pequenas pequeninas mas que fazem uma diferencial gigantesco. Eu mudei meus cabelos. Lembram que eu curtia o meu grisalho e não os pintava ( texto aqui)? O tempo passou e senti necessidade de pintá-los,mas de uma cor que me representasse.Uma amiga pintava o dela de multicores e resolveu me ajudar no primeiro passo. Lá se vão 2 anos e hoje meu cabelo está metade magenta,metade azul. Com isso tive que redobrar os cuidados. Amo meu cabelo, sempre amei e tive a triste constatação que ao contrario do que imaginava,eu não sabia cuidá-los da maneira certa.

E com isso conheci o Low Poo. Mas o que é isso? Resumindo,bem resumidinho,é uma maneira de você cuidar dos cabelos usando produtos com agentes pouco ou nada agressivos.  Você pode ler mais sobre isso aqui (clica,vale a pena!). E junto a isso me lembrei do pouco quase nada que sei sobre Ayurveda que diz que só use no corpo aqui que você pode comer. Azeite extra virgem, óleo de coco, gelatina sem sabor, me, leite,babosa,óleo de girassol puro e muitas outras coisas e por um custo super baixo. Resultado: cabelo bonito ,tratado e sem o gasto faraônico e inútil dos salões de “beleza” (que eu odeio!). Ah e tem grupos no Facebook sobre esse assunto, amor puro!

Outra decisão tomada foi  parar de tirar a cutícula das unhas. Você sabia que isso só faz abrir portas para fungos?Pois é,eu achava que isso era besteira. Até que um dia fiquei incomodada de minhas unhas estarem sempre feias por mais que eu cuidasse delas semanalmente. Foi a libertação. Ok,ainda não cheguei no objetivo (que é tirar aquelas fotos divas tipo Instagram! Ho ho ho ) mas,já estou no caminho.Esse desafio está mais complicado do que o shampoo,pois quando percebo ...já enfiei demais o alicate na pobre cutícula! Estou atenta e começando a obter resultados iniciais. Se você se interessou leia aqui.

E por último a mais recente conquista: parar de usar desodorante industrializado. Substituí há 15 dias o desodorante por leite de magnésia (sim,esse mesmo da embalagem azul e de gosto horroroso!!). De início fiquei meio cismada porque eu não suava nadinha.Ok,não tenho alta sudorese. Só posso dizer que o resultado é ótimo e esse produto  é realmente indicado para substituição de desodorante industrializado,havendo muitas e  boas pesquisas sobre.

Resolvi escrever esse texto para servir de incentivo para os resistentes à mudanças de pequenos paradigmas. Um passo de cada vez ,uma mudança por vez,só seguir adiante quando os pés estiverem firmes no chão. Devo ressaltar também a surpresa de uma coisa que eu há muito não sentia: camaradagem. Muitas,mas muitas pessoas lindas e gentis ajudaram/ajudam quem resolve sair da Matrix e eu me sinto muito grata por essa vibe boa e gentil. Mas esse é outro assunto!

Se precisarem  de ajuda,deixem um comentário aqui ou no Facebook J



sexta-feira, 27 de março de 2015

Entrego,confio,aceito,agradeço



O tempo é o senhor de tudo , minha mãe sempre diz.

Por muito,muito tempo mesmo,desde que li o Milionésimo Circulo,desde que círculos de mulheres não estavam na moda enfim, eu ansiei participar de uma irmandade feminina. Ansiei,desejei,procurei,encontrei,perdi.O tempo passou e eu guardei numa gaveta essa minha vontade.

A vida seguiu.

No final do ano passado entrei para um grupo via Facebook e percebi que essa ideia cresceu muito nos últimos anos que pessoas aqui da minha localidade estavam na mesma busca. Como esperado, essas pessoas se encontram e eu fui junto. Naquela manhã eu sabia que algo bacana estava acontecendo e ao mesmo tempo sabia que algo não estava se encaixando no quadro. Observei, assimilei e guardei,aliás esse é um hábito que tenho praticado muito.Eu estava como uma observadora oculta do quadro,olhando a felicidade alheia,percebendo sintomas,esperanças,medos e não sabia qual daqueles sentimentos eram os meus. Segui. O grupo se tornou forte, mesmo não se desencontrando por motivos diversos .

Agora em março, ano novo celeste,meditei e conclui que o meu tempo de circulo feminino já passou e admitir isso será uma boa maneira de começar o ano. De tanto esperar a coisa  deixou de ser imprescindível na minha vida. De tanto esperar algo in loco,percebi que fortaleci vínculos com mulheres fora daqui e a(s) cura(s) que precisei/preciso obtive. Ok,posso ofertar algo.Sim,posso. Devo? Não. Por que? Porque agora não é o meu momento. Um dia quem sabe? É,um dia quem sabe? Não fecho essa porta.Eu sei que o ciclo vai voltar a esse ponto e eu farei o que precisa ser feito. Até lá,olho para outro ponto do caminho e sigo.Entendi o que senti naquela manhã de encontro: eu não pertenço.

O que me alegra é ver um caminho se tornando real aqui em  solo capixaba.É saber que existem mulheres que estão concretizando algo bonito em cima de seus anseios.É saber que aquele tempo de marasmo espiritosantense , chegou ao fim! E o melhor é me regozijar em ter atingido um nível de desprendimento de uma ideia/sentimento que eu jamais pensei que conseguiria.
E eu me sinto velha. Não a velha destituída  de seu poder no mundo patriarcal.Mas a velha sábia, a que já percorreu muitos caminhos e se senta para saborear seu cachimbo e observar. Isso me tem feito muito bem!!

Entrego,confio,aceito,agradeço. Eu nunca entendia essas 4 palavras juntas.


Agora entendi.Pelo menos nesse episódio da minha existência.

quinta-feira, 5 de março de 2015

A Lua Cheia da Gratidão


Há algum tempo eu elegi a Lua Cheia para uma única coisa: gratidão.

Tanta coisa boa acontece no decorrer de um ciclo lunar,são tantos aprendizados e afeto recebido que eu apenas fecho os olhos ,lembro de rostos,de palavras,de afagos e agradeço. Com a turbulência de um filhos,aqueles momentos lânguidos de rituais estão suspenso mas,nem por isso me desconecto completamente.Aprendi à duras penas,a aceitar que meu momento é esse e é o que dá pra fazer.

E fluiu. Sem velas,sem círculos,sem orações,sem chamados.Só o silêncio e a gratidão.E tem dado certo.

Agradecer pela minha lucidez em aceitar o que antes seria inaceitável.

Agradecer por  pessoas bacanas que no real ou no virtual,sempre me ensinam algo e me fazem mudar o foco e enxergar ângulos novos.

Agradecer a aceitação .

Agradecer o medo vencido com louvor (essa foi a vitória do mês,talvez do ano inteiro!!).

Agradecer que no final, tudo acaba se encaixando.


Obrigada Universo!

segunda-feira, 23 de fevereiro de 2015

Das pedras



Até pouco tempo qdo via pessoas q admiro profundamente, não comprarem brigas,discussões,debates ou abraçar causas; eu me indignava por dentro,não entendendo como essas pessoas conseguiam passar pelo mundo sem se indignar ou explodir, afinal  o mundo tá de cabeça pra baixo. Um dia,uma bruxa da velha guarda disse q as vezes as coisas estão no lugar q elas realmente tem de estar,mesmo q a gente não concorde. Naquele momento eu me indignei mais ainda. Como assim as coisas estão no lugar que tem q estar?

Hoje ruminando na minha cabritice,lembrando de alguns ocorridos recentes onde me tacaram pedras ,me julgaram sem saber dos meus valores perante a vida;dizendo q eu tenho q isso e aquilo pq isso e aquilo é O Certo; me lembrei da fala da minha amiga e encaixei na vida da minha cachorra velha: Eu tenho uma cachorra bem velha e 4 cachorros beeem mais novos que ela. Eles latem para qualquer papel que passa voando na rua o dia inteiro,nós nem ligamos.Mas qdo a cachorra velha resolve sair do seu torpor e preguiça e se dá ao trabalho de latir,nós prontamente vamos ver o que é,pois sabemos que é coisa seria.E se ela realmente além de latir,se levantar do seu posto... aí meus amigos,é coisa séria mesmo!!  Penso que ela já cansada,com dores e dominada pela preguiça, deixa o trabalho básico e corriqueiro (mas necessário!!) para geração nova que tem q aprender com o tempo a separar o joio do trigo.

Começo a pensar nas coisas q realmente valem a  pena me fazer desembainhar a espada.E começo a perceber q sim,por mais torto q seja,algumas coisas estão onde deveriam estar,pq sempre há filhotes q precisam aprender a guardar o seu espaço .


quarta-feira, 18 de fevereiro de 2015

Saúde e Informação




Eu tenho percebido um movimento surreal contra a medicina alopática. Tenho visto nos grupos on line ,mulheres pedirem orientação sobre sua saúde sem ao menos terem ido a um médico (ou dois,ou três...) obter diagnostico. E na mesma proporção vejo pessoas despreparadas dando receitinhas holísticas e psicológicas,todas obviamente sem preparo para tal,pois um profissional holístico sério,não tem esse tipo de comportamento.

Sei que a medicina está capenga,mas também sei que hoje um simples exame endovaginal mostra como está o nosso útero. Por que desprezar isso? Temos que ter parcimônia.Eu por exemplo,nunca acredito 100% num médico,procuro outras opiniões, inclusive com amigos formados em Farmácia ou outras áreas biomédicas.Mas desprezar tudo? Não! As coisas evoluem e temos que aproveitar o que temos e na era da informação temos também,que questionar e investigar. Os próprios terapeutas holísticos recomendam um diagnostico formal antes de começar uma terapia alternativa.

Esses grupos on line tem me assustado bastante. A vontade das mulheres de ter um grupo,uma tribo,uma alcatéia,esta beirando o desespero e a ingenuidade.Vejo mulheres se entregando nas mãos de outras e aceitando tudo cegamente. Mas,na mesma proporção,vejo uma pequena e luminosa parte de pessoas sérias que realmente querem partilhar. 

A responsabilidade por si é nossa e não do grupo ou do médico,fiquem atentas!


Tratar corpo e espírito em harmonia,sempre!

segunda-feira, 9 de fevereiro de 2015

A Bruxa e o Clima



[...] em tempos de estiagem, os cristãos cultivavam o hábito de mergulhar cruzes e outras relíquias religiosas na água-benta como uma forma de encorajar a chuva. Não resta dúvida de que esta prática deriva de um outro costume cristão, muito mais antigo, que consistia em mergulhar as imagens dos santos nas águas dos rios, como uma forma de rogo ao céu, para que fosse dado um fim na estiagem.

A curiosa relação entre magia climática e os antigos cristãos evidencia-se no trecho do livro The Encyclopedia os Witches and Witchcraft, de Rosemary Ellen Guley:

A Igreja Medieval proibia os tratamentos supersticiosos da feitiçaria como, por exemplo, o de fazer chover, em virtude de suas associações pagãs. No entanto, o que esta mesma Igreja recomendava não passava de outras pequenas superstições, acrescidas de sacramentos e rituais, cujo único objetivo era o de substituir os encantamentos pelas orações cristãs. Portanto, em essência, este procedimento era igual ao do tratamento pagão, embora vestido com a roupagem cristã.


 Gerina Dunwich - Desvendando a Arte dos Feitiços

quinta-feira, 1 de janeiro de 2015

Cronos II



E o tempo passou,mais uma vez. É certo: Ele sempre passa,sempre segue adiante,mesmo com nossas inúmeras suplicas e resistência.Ele passa.

E passando,leva algumas coisas para nós. Leva. Trás. Segue. E Ele levou 2014 e junto levou todas,quase todas as minhas dores. Aprendi, resisti, reergui.

No final fui vitoriosa. E não é isso uma maravilha?

Olhando para trás, tudo ficou pequeno, ínfimo. As coisas se deram,cumpriram seu papel e acabou. As coisas tem tempo de validade. E que a dor e o sofrimento sejam como alimentos perecíveis.

2015 se apresenta para mim bem sorridente. Ano de muito trabalho,ano de pesquisa e principalmente: ano de organização. Um ano de prestar atenção no mundo.


E eu espero (e desejo) que seja um bom ano para quem aqui chega e lê.


Obrigada por me acompanhar nessa jornada Rubra!

terça-feira, 11 de novembro de 2014

Pare.Espere.Siga.




Quando eu estava grávida li uma matéria de um blog materno onde a autora escrevia sobre o emburrecimento materno, de como ela não conseguia mais ler livros,estudar ou fixar novos conceitos na mente.Eu espumei de indignação,como é típico do meu comportamento. Compartilhei o texto num grupo que participava e poucas comentaram,as que o fizeram riram e concordaram.Pensei que obviamente eu não seria afetada por tal absurdo,que isso era coisa de mulher preguiçosa.

O tempo passou. Logo que o filho nasceu eu li um livro,me senti vitoriosa e a vida ia seguindo seu rumo.Só que a medida que os bebês crescem as demandas também,junta-se a isso as noites mal dormidas por conta das mamadas e você tem como resultado uma mãe zumbi. Ora, todo mundo sabe os efeitos sobre nosso organismo quando somos privadas de boas noites de sono....imagina quando isso se torna rotineiro! Livros começaram a ser depósito de poeira.

Pois é, emburreci!!!! E nem percebi!!!! O tic tac do relógio começou a ficar alto,estava chegando a hora de voltar para a Universidade. Como, se eu não me sentia preparada? Eu não conseguia pensar em nada que não fosse em cuidar do meu pequeno, o mundo acadêmico estava distante,fora do meu planeta mãe! Não,não e não! Driblei os tramites da Universidade e não voltei.

O tempo passou,de novo. Algo começou a me incomodar. Grupos e leituras maternas não eram tão edificantes e sedutoras como antes e meus olhos percorriam  velhos e bons assuntos tão adorados no passado. Sai dos grupos maternos,voltei para o que realmente amo. O filho começou a se tornar um pouco mais independente e omeu companheiro pedir para  eu alçar os vôos que tanto ansiava,ele me daria o suporte.E a coragem? A coragem só a gente sabe onde busca-la!!

Decidi voltar. Mas antes,decido voltar de uma maneira completamente diferernte,voltar com uma mente mais aberta e agarrar toda e qualquer oportunidade que estivesse ao meu alcance e dentro de minhas possibilidades. Ficar num hiato por quase dois anos me permitiu entender e aceitar onde eu estava errando em boa parte da minha vida e me abrir mais para o Universo. Eu queria a sede de mundo que eu sempre tive e que eu havia abandonado.Hoje minhas possibilidade são menores e meu tempo,idem.Mas exatamente por isso,que as coisas tem um gosto mais apurado e  mais desafiador.

Óbvio que eu sei que infelizmente nem toda mulher tem um suporte que lhe permita tal isolamento do mundo. Porém eu acredito que não devemos nos render às pressões do mundo. Sei de muitas mulheres que entram em depressão (ou algo do tipo) pois não conseguem mais ser a mesma pessoa que era antes de um filho. Muitas são as exigência em cima de uma mulher,um filho é só um bônus que temos que carregar sorrindo e sem reclamar da nossa vida. Temos que cuidar do filho de nós,da carreira,da casa,do marido e sabe-se lá mais o que. Se você não quer mais estudar/projetar/criar/delegar/,ou não consegue,ou se sente cansada para tal no momento após o nascimento de um filho, o problema é seu,ninguém se importa. Mas sempre  há um apoio para quem busca,procure grupos de mães ativas, círculos de mulheres, terapia holística ou não,enfim se cure,peça ajuda.O Universo irá conspirar a seu favor.


De todo o meu coração,que as mulheres encontrem o que eu encontrei.Que tenham força para aceitar suas fraquezas e forças para buscar a cura.

quinta-feira, 23 de outubro de 2014

O Caminho da Lua de dentro



Hoje uma amiga querida me mostrou uma foto minha tirada quando eu estava grávida de dois meses.Fotos experimentais que fizemos na aula de fotografia da faculdade (que ficaram muito boas por sinal !!) e que mostrou o quanto de luz eu carregava em mim naqueles meses.

Fiquei o dia todo pensando naquela imagem de mim mesma e de tudo o que já se passou nesses dois anos: gravidez,nascimento,maternagem. Percebi o quanto de Lua se passou por aqui.A gravidez é Lua cheia ,nos sentimos plenas de tudo como se o impossível pudesse acontecer através de nós e pela nossa vontade.Não houve limites para minha beleza,me senti plena,bela e confiante... Até chegar perto do momento do parto,quando me senti frágil,vulnerável e acabei não tento o parto que sonhei.O filho nasceu,eu mingüei,esvaziei de mim e de tudo, zerei a vida.A lua negra veio quando a perda de identidade se tornou algo palpável e que doeu muito.Desci abismos até compreender o que estava acontecendo.Tudo foi escuridão e silêncio. Enfim a esperança da Lua nova,aquele sorriso brilhante no céu, o recomeçar,o limpar energias e caminhos e ter esperança e fé que o amanhã sempre é melhor.A vontade de fazer tudo novo,diferente,aquele gosto de segunda chance na vida.

Hoje,eclipse solar e Lua nova em Escorpião u me sinto curada,renovada e pronta para novos sonhos! Fiz as pazes comigo,aprendi a tirar forças da minha fragilidade ,aprendi a assumir muitas coisas dentro de mim e quero aprender muito mais.Joguei toda a teorização sobre o feminino fora e quero começar esse caminho de uma nova maneira.

Feliz Lua Nova!


"Cura não significa que o dano nunca existiu. Significa que o dano não mais controla nossas vidas." Via O Espelho de Circe