terça-feira, 14 de outubro de 2008

Devaneios





Eu acredito que a Grande Deusa que muitos falam, principalmente os Wiccanos, nada mais é que uma antiga força arquetípica que foi sepultada viva por N motivos ( não entrarei aqui na questão do patriarcado, não é esse meu objetivo, afinal tem muita gente já falando disso). Agora nesse movimento planetário quase que palpável, precisamos não somente as mulheres, restabelecer a conexão com nosso corpo, espírito e demais habitantes de nosso planeta, com a clara consciência de que somos um grupo e não um monte de indivíduos aglomerados em jaulas.

E essa força/forma arquetipica Deusa é o que nos liga ao homem primitivo que desde sempre sabia o seu papel no seu grupo e terra. É a força da Mãe que nutre, que abençoa os filhos que sabem aproveitar suas bênçãos generosas, fartas. Da Mãe que também chacoalha e grita para que os filhos parem de fazer besteiras. A figura da Mãe é que reina no centro dessa força.

Não creio numa Grande Deusa Mãe. Creio numa força arquetípica que está dentro de nós desde os tempos primevos.Esta força, que reside no âmago de cada ser, hoje, pelo que vejo nos blogs que caminho pelo cyber espaço, está gritando para sair, pois ela precisa nos orientar a fazer o que tem que ser feito. Cultura de paz? Talvez. Mas algo precisa ser feito.

Hoje Lua cheia e meu primeiro dia menstrual, senti que deveria fazer um ritual para pedir esclarecimentos de qual é o meu papel nesse planeta azul. A chama da vela, banhada com sangue, está brilhando neste momento no altar e eu sei que dessa chama minhas idéias brotarão. Um passo já foi dado que foi a criação desse blog para manter contato com mulheres que pensam de maneira parecida.

Mas uma coisa eu tenho certeza: sou mulher e pagã!!!!