quinta-feira, 22 de outubro de 2009

Meu dia do Ame seu Corpo

Quando eu era adolescente, tinh um padrão de beleza que queria atingir numa idade X. Eu olhava as mulheres de 30 e achava um saco elas se vestirem e/ou parecerem mais velhas do que eram.Até um dia eu fui numa festa descolada e vi uma mulher de uns 35 anos de cabelos bem curtos e pretos, com camiseta , calça jeans e umas sapatilhas muito estranhas. Naquele momento eu montei meu padrão de beleza a ser atingido numa idade X.

O tempo passou e nas andanças da vida me perdi.Por um tempo me frustrei com a minha aparência, nada muito radical ou psicótico, mas me frustrei sim. Não entendia o pq de eu não ter o corpo de revista, mas também tinha e tenho preguiça de correr atrás desse pseudo ideal. Agora to com 32 anos e coincidentemente nessa semana maravilhosa do Dia do Ame seu Corpo, recebi de um amigo uma foto minha e foi aí que percebi que eu consegui atingir aquele padrão de beleza que estabeleci para mim lá nos idos da adolescência.Fiquei muito orgulhosa de mim mesma, mesmo continuando gorda,rechonchuda, usuária de óculos e esquisita para padrões Vogue. Mas essa sou eu e não corro o risco de ver nas revistas alguém me clonando. As capas de revistas para mim são uma sucessão de clones e reportagens na maioria das vezes inúteis que vendem uma pseudo felicidade para pseudo mulheres.

Sou uma mulher de 32 anos, escandalosamente tatuada e que não se preocupa se não vai arrumar um emprego de 8 horas diárias num escritório que vai moldar o seu jeito de ser,vestir , pensar,desejar,sonhar.To sem grana? To!Mas feliz por ser eu mesma, é um preço que pago sorrindo!É utópico viver assim? Pode até ser,mas a escolha foi minha então eu banco!Esse ano eu me assumi inteira, voltando a ser fiel aos ideais que tinha quando mais nova, me buscando como ser inteiro, acreditando em sonhos que para a maioria é infantilidade , colocando no lugar tudo o que é importante para mim. Amar o meu corpo é respeitar meus desejos, meus limites e as condições do meu ser inteiro. Hoje eu sei que meu corpo não foi feito para ser magro, não é meu biótipo e se eu forçar eu ficarei muito, muito FEIA! Desde que nasci sou assim, grande, gorda, estranha. Esse é o ser que os Deuses moldaram e cabe a mim deixar esse corpo feliz e saudável.Mas não vai ser um numero na balança que vai me impedir de ser feliz!Fiz minha tatuagem como simbolo de libertação e estou muito satisfeita. Espero que essa mobilização que estamos fazendo possa tocar o corpo de tantas mulheres que ainda não encontraram seu lugar dentro de si mesma e que elas se libertem para o tempo de ser feliz!!

Como amor e força,

Iony Ming

2 comentários:

Aleska disse...

somente uma palavra: inspirador!
Muito legal você ter conseguido chegar ao seu ideal. Eu queria me sentir mais plena, mas agente sofre muita pressão externa.

Samara L. disse...

Noooossa!!! Fazia um tempo gigantesco que eu não me encaixava tanto dentro do texto de outra pessoa. Também sou grande, também sou gorda, estou com 37 e finalmente me encaixo completamente no meu próprio padrão de beleza (também tive o tempo de encanar com isso e aquilo outro, embora nunca tenha passado nem perto da anorexia). Hoje sei me vestir como nunca, me maquiar como nunca, meu cuidar como nunca e tudo isso me deixa muito feliz.
Tudo eu quero é que sejamos contagiosas. Um graaaaande abraço!