sexta-feira, 23 de abril de 2010

Simplesmente, não o sou. E você, é?

Então, eu estava pensando aqui. Eu não sou ativista, nunca fui, nunca disse que era e nem o pretendo ser.Eu acredito no ativismo util como sempre digo. Acredito em gente que dá as carase sai do discurso para ação. Na minha concepção, isso é ativismo. Mas é um conceito meu, só meu, que pode esbarrar em muita gente por aí.

Acredito que a internet é uma ótima ferramenta para um start ativista. Nos poupa tempo e dinheiro e faz a notícia circular numa velocidade incrivel. Mas tem gente que ficasó nisso. Ok..é opção de cada um eu sei, mas pra mim não é ativismo. Eu acredito na atividade, no fazer acontecer localmente e quiçá globalmente, acredito na ação, no fato, na coisa em si. E pra mim, para se chegar nesse ponto, tem que dar as caras, sair da nossa posição confortavel e segura frente ao computador , arregaçar as mangas e dar nome aos bois.Eu não acredito que o ativismo possa ser somente virtual, restrito ao virtual e intangivel. Não sei...pode até dar certo para alguns ( parabéns heim?!) mas para mim que sou enjoada, cabeça dura e conservadora as vezes, não dá, é capenga, falta o ato, a atitude em si.Mas essa éa  minha opinião, nem certo, nem errado, somente a minha opinião.

Eu vejo pessoas com idéias lindas, fantásticas e invejaveis juntarem pessoas em listas, blogs, circulos virtuais e o escambau e num piscar de olhos já mudam de direção, não criam a raiz, não sofrem , não apdecem da dor de se colocar uma idéia projeto para acontecer, que se aborrecem na primeira decepção ou silencio e deixam pra lá . A cabeça fervilha de idéias e isso é saudavel. mas se não há foco, se a semente não regada ali dia após dia, se a esperança não é renovada a cada manhã...acaba antes de chegar a dar a primeira folha.

Eu não sou ativista, já disse. Eu sou facilitadora de um circulo feminino aqui no Espírito Santo. Isso não me enquadra como ativista, segundo o meu próprio conceito.Eu demorei uns 5 anos para conseguir chegar até aqui e agora eu cuido, talvez por mais uns 5 anos até ver a minha plantinha de vida brotar lindas folhas e mais uns 5 até as flores e frutos. É trabalho de formiguinha e é um trabalho real, concreto , sofrido, suado, que demanda tempo, disposição e amor. Essa é a minha única atividade e como já disse, não em enquadra como ativista.

Mas eu saio da frente do computador para abraçar pessoas, ouvi-las e ser ouvida também. Então, por favor, antes de me criticar e dizer que eu tenho pose de ativista e que isso é uma piada, faça um trabalho real e me conte a que resultado chegou. Pq resultados interneticos são fáceis de chegar e se eles não dão certo, se faz outra lista, outro blog, outro sei lá o que e se vc fica magoadinha, fecha a tela e tudo fica por isso mesmo. Eu vivo no mundo real, a virtualidade permeia minha vida ( e ainda bem!!) mas ele não se resume a isso. Então, antes de me criticar, veja o meu trabalho,saiba quem sou eu e verá que eu nunca, jamais me auto rotulei ativista. Forme a sua mente, faça algo útil, viva e deixe viver.

4 comentários:

Helene Priscilla {Ἑλένη Καλλιοπη Ελευθέριος} disse...

Gostei do post, disse muito.
:)

Iony disse...

Obrigada querida!Um prazer ter vc aqui!

Green Womyn disse...

A hora em que as pessoas começarem a fazer mais por si mesmas e pararem de fazer fofoca sobre os outros (se não me engano, por isso vc escreveu esse texto, não?), o mundo será um lugar melhor para se viver. Pode acreditar em mim.

Gabi disse...

Oi, tô passando para dizer que também gostei muito do seu post. Eu esbarrei muito em ONGs que se focavam em conscientização (que é super necessária), mas que não passavam dessa fase. No final, as pessoas focavam todo o esforço delas no plano das idéias, mas não partiam para a prática. Por exemplo, existem muitas organizações especializadas em aumentar a conscientização da existência da violência contra a mulher, mas muito menos organizações que focam seu trabalho em cuidar das vítimas desse tipo de violência ou em prevenção. Esse mesmo problema ocorre em questões ambientais, religiosas, etc. Enfim, achei seu post super pertinente.