sexta-feira, 6 de agosto de 2010

Faces



Estava eu em casa pensando na vida e em algumas questões que queria passar para um grupo de mulheres quando deparei-me fazendo comparações entre mim e minha irmã. A coisa gira em torno das tão famigeradas faces da Deusa. Pude perceber (ok, isso já é uma percepção antiga mas nunca declarada formalmente) que eu e minha irmã somos a sombra uma da outra. Até quando não sei, afinal as faces divinas mudam conforme a dança da vida.

Minha irmã é uma pessoa que para mim, no meu português bem claro e direto, é uma tonta que acredita no amor, na felicidade e que a vida pode ter um final feliz, cor de rosa e pleno mar do caribe. Deuses, isso já deu inúmeras discussões!! Mas confesso que ela já foi MUITO pior! Ela realmente é uma pessoa boa, não me lembro dela fazendo algo "du mal". Ela guarda muito pra si e raramente a  vejo por as cartas na mesa. Ela é ponderada mas tem um defeito que sobressai a isso; ela acredita muito fácil nas coisas, tem um fé que eu realmente invejo. Ela acredita nas pessoas, assim de graça. Mas ela é independente de pessoas, criou os filhos soltos, não se liga muito em ficar grudada em família e não se apega a essas questões. Na casa dela é cada um por si, literalmente. Ela não telefona, não manda e-mail e só aparece de 15 em 15 dias e na cabeça dela, tudo bem! Ela já admitiu esse erro de não se apegar a nada, mas também não o mudou. Ela é do tipo que se tiver que roubar um carro pra te levar ao hospital, ela rouba!Mas não espere que ela durma lá no hospital para cuidar de você.

Eu sou uma pessoa velha, ranzinza e dura. Não sou de palavras de carinho. As coisas pra mim são claras, ou são ou não são. A minha visão de mundo é imediatista, não sou muito de divagar, meditar, poupar. Dizem que sou uma faca afiada e uma flexa certeira. Não é mentira, admito. Mas , eu sempre ofereço algo, veladamente, óbvio, pq não acredito que se ofereça nada de graça por aí. faça por merecer. tenho uma vivência razoável em questões que não são comuns. Não vivo e nem quero viver para trabalhar enlouquecidamente e pagar contas, não seid e onde vem isso, mas foi a escolha que fiz e isso realmente tem um preço muito grande. Em contra partida eu cuido da minha família. Alguém aqui já assistiu o filme " Como agua para Chocolate"?Pois é, tirando a parte tragicamente latinoamercana do romance, eu sou meio daquele jeito. E tudo bem! Eu cuidei do meu pai quando com câncer até o falecimento dele. Hoje eu cuido de uma mãe de 80 anos que atualmente está com uma bacia quebrada e ...Deuses! como isso é trabalhoso!. Não tenho filhos e nem sei se os quero. Eu já cuido de tanta coisa que isso nem me faz falta.Mas esse assunto não é uma porta fechada, não sou inocente, as coisas andam.Dia desses uma amiga me disse que sou mãe sem parir. Não sei...não me vejo uma mãe nhe nhe nhe que rasga o peito por qualquer coisa, sou ponderada nessas questões. Eu sou brava, dura , não acredito fácil nas coisas e nas pessoas e felicidade pra mim não é de final de contos de fadas. Felicidade é uma busca, um caminho mas é clara e precisa ,é uma coisa que se vive um dia depois do outro e não um estado de êxtase eterno. Eu sinto inveja. Vixe!!Muita inveja! Inveja dessas mulheres que têm sempre algo bom para falar, uma chá quente pra oferecer, um sorriso de bondade. Tenho realmente pensado muito nisso.Mas mesmo assim, acho que estou fazendo bem o meu papel, já tem gente fofa demais nesse mundo, alguém precisa fazer o trabalho sujo!Mas a vida é uma busca, uma busca de melhoras, de aprendizado e eu ainda não morri,certo? Eu largo as coisas pelo que acredito e eu acredito em familia. Mas não quero que seja sempre assim. Acho que minha vida começou o inverso do normal, então se tudo der certo (e eu realmente quero que dê certo!), daqui há algum tempo eu vou viver a minha fase "mulher destemida" que eu deveria ter vivido até agora. Mas como dizem, o capricorniano nasce velho e morre jovem, então está tudo dentro do plano.

A questão comum é que ambas abriram mão de si mesmas por coisas ou pessoas.Ou por si mesmas? Não é fácil puntuar isso. Ela porque acreditou no príncipe que virou sapo. Eu porque não quis fazer N coisas que eram esperadas. Não há certo e errado aqui. Há algumas discussões entre irmãs pelo simples fato de uma ver na outra coisas que não possui em si mesma ou por não te-las ou por não quere-las. Dramas humanos perfeitamente normais. Ok...eu realmente penso em fazer terapia esse ano, porque navegar em mim mesma é preciso! E tudo isso que coloquei de maneira bem resumida e em cores chapadas sem degrades ou aquarelados, me mostra que podemos ter Deusas dentro de casa e aplicar nossa teoria em coisas, pessoas e situações  dentro da nossa casa/família.Eu ainda não sei qual face prevalece em mim ou na minha irmã, mas eu quis escrever como o inicio de uma grande estudo acompanhado de uma vivência curiosa.

Ahhh....eu amo minha irmã viu? Apesar de que ela mais me irrita do que ajuda! talvez essa irritabilidade seja a maneira de eu me ajudar e me entender.É a busca pela tal cura de maneira mais ampla e objetiva!

Desculpem o trastorno!

3 comentários:

Green Womyn disse...

Vc anda inspirada, hein? ;-)

Samara L. disse...

Engraçado,acho que minha irmã faria uma descrição muito semelhante de mim.
O que não quer dizer,absolutamente, que eu seja desse jeito.^^^
Beijos e bom dia.

Iony disse...

São pontos de vista! A forma como eu em vejo, como os outros veem a mim e por aí vai! Pontos de vistas deo mesmo objetivo/pessoa!
beijos e obrigada pela visita!