quinta-feira, 23 de setembro de 2010

E acabou o inverno!

Pois é...lembram-se que a mais ou menos um mês eu postei sobre um ritual de Lua Cheia ? Pois é...aquele ritual não foi feito pois como eu disse, um amigo meu morreu naquela noite linda. Mas a intenção acabou permeando os meus dias seguinte e muita coisa aqui dentro mudou. Eu gripei,depois a coisa piorou até que tive uma crise de bronquite que não me pegava há uns bons 15 anos!E com isso fiquei de cama por uns bons dias. Como cabeça vazia é oficina do capeta, minha cabeça começou a ferver com pensamentos reflexivos o que me levou lá num canto escuro de mim mesma. Sonhos vieram, simbolicamente muito válidos o que me fez pensar e encarar certas coisas que sempre deixava pra depois. Claro, é um processo demorado que eu sei que começou mas não sei qdo vai acabar. Mas eu me lembro dele todos os dias.Sou humano e sei que se eu bobear, o assunto volta pra caixa preta.

O que isso tudo tem a  ver? Bom, naquela lua a minha intenção central era limpar fisica e energéticamente a minha casa pois eu já estava cansada da vibe de inverno. O que eu percebi é que o estar doente me limpou. Quem realmente precisava de limpeza era eu como um todo.A casa de dentro, sabe? Limpei as teias de aranha e o ranço de mágoas que já tinham vencido há tempos ( essa percepção já estava bem recorrente mas sem mudanças no final das contas). Tomei a decisão de me policiar mais contra pensamentos negativos (um péssimo hábito precisa de patrulha!rs) e deixar o curso do rio fluir: algumas decisões do Universo não depende apenas de mim. Percebi que é melhor eu me preocupar com a minha vida e deixar de agora em diante que a justiça divina ( no meu caso, Maat) cuide de determinadas coisas, a verdade sempre aparece, mesmo que tarde da noite.E decidi também que não vou mais fazer determinadas coisas só porque esperam isso de mim em nome de uma amizade/relação que não existe mais . Às vezes a boa educação nos obriga a fazer o que não queremos. Eu estava carregando peso demais e isso me tornou amarga. Eu não quero amargura. Hoje no meu altar tem um pote de mel...porque de agora em diante esse pote é símbolo de que por aqui, algumas coisas estão mudando.

Eu percebi que posso deixar meu coração mais leve, que eu posso dizer coisas mais leves e que eu posso me perdoar por ter sido dura demais comigo e com os outros.E hoje a noite o meu ritual será abrir portas e janelas e deixar o vento e as boas novas entrarem!

E que assim seja!

2 comentários:

Daniel disse...

Feliz renascimento!
Muita alegria e muita paz nessa primavera.
Um abraço,
Daniel

S. Thot disse...

A doença tem isso de bom. Faz a gente diminuir o ritmo, mudar o foco, ver as coisas de novas maneiras.

Já me disseram que as doenças são o modo do corpo dizer "epa amigão, dá um tempo".

A cada ano penso ser esta uma grande verdade.