segunda-feira, 9 de abril de 2012

Todas juntas?


Falta pouco para nós celebrarmos mais uma Segunda Vermelha. Um ciclo se passou e eu estou a pensar na privatização das Tendas como se elas fossem uma fazenda cercada,cheia de gado. Ora,o que eu quero dizer com isso? Há quem acredite que o trabalho das Tendas da Lua, do Sagrado Feminino,do Ativismo Menstrual ou seja lá o nome que essa nossa filosofia de vida tenha;é propriedade particular. Lamento informar,mas não é. Se você faz um trabalho e sua vizinha o faz também ,deveria ser motivo de orgulho (no sentido bom da palavra)e um momento de  partilha.O momento quando a Anciã senta e conversa com a Donzela.O momento de transmissão de saberes.

É difícil,bem sei.Eu não ficaria nada satisfeita se alguém usasse o nome Alma Rubra,por exemplo.Eu não me excluo de nada do que estou escrevendo aqui , não sou superior,como muitas mulheres já disseram sobre mim,às escondidas,obviamente.Eu sou um ser humano e isso envolve muita coisa. Mas,se nós gritamos para os 4 ventos a tal da Lealdade Feminina, se nós trabalhamos com Deusas e seus arquétipos, se nós dizemos que abraçamos a diversidade; porque eu não posso aceitar que há uma vizinha fazendo um trabalho como o meu? Será que todas as mulheres cabem na minha tenda? Será que não podemos fazer uma única e imensa tenda?

Não sei as respostas. Mas como o Martin Luther King,eu tenho um sonho.E esse sonho é antigo e nunca apareceu uma oportunidade de sequer chegar perto dele. Numa fogueira de vaidades que está se tornando os círculos femininos, está cada vez mais distante esse sonho. Vejo (ok,pode ser uma baita ilusão minha ) as irmãs latinoamericanas sempre fazendo encontros de círculos. Converso com algumas ,problemas existem em qualquer lugar,mas eles não são suficientes para impedir que círculos se unam . Vejo o trabalho nos EUA e na Europa. E aqui? Quando teremos a nossa feira de Artes Femininas?Quando as tais sacerdotisas irão se unir e para fazer um grande evento feminino? Temos medo de perder nossos discípulos?Temos medo de nossas máscaras caírem. Afinal,o que nos impede? Somos muitas e podemos muito!!!!

Espero que esse vídeo  inspire e que quem assista possa sentir tanto amor e esperança quanto eu senti.


3 comentários:

Emanuel disse...

Não se preocupe com isso. É engraçado como isso também se dá em outras instituições, como grupos de Tarô e de Bruxaria. A Arte, cada vez mais, se mostra para mim como algo singular em meio plural, como os números primos. Parece que, para que alguém seja certo, alguém tem obrigatoriamente que estar errado num maniqueísmo inútil e estéril. Ou, pior, plágios ridículos que só faltam manter a assinatura do autor. Brincadeira, né?
Mas eu confio na Minha Senhora, como você também deveria. Existem coisas que sobrevivem a essas pequenas pessoas. E o que sobrevive, permanece.
Um beijo!

Israel disse...

A facilidade de prestar atenção nas diferenças, em vez de se regozijar com as similaridades...

Mas como disse o Emanuel, "Existem coisas que sobrevivem a pequenas pessoas. E o que sobrevive, permanece."

Sabrina Alves disse...

ÍDALA 2 !